O que é Bitcoin?


O Bitcoin surgiu oficialmente no começo de 2009 — em 3 de janeiro, para ser exato. Meses antes, em 2008, um artigo assinado por Satoshi Nakamoto (em PDF) foi divulgado em grupos de discussões descrevendo o conceito do Bitcoin.

Mas, Satoshi Nakamoto é um pseudônimo que representa uma pessoa ou um grupo de indivíduos. Ao longo dos últimos anos, alguns nomes apareceram, mas até hoje não está claro quem realmente é essa pessoa (ou grupo).

Não há banco central, casa da moeda, fundos monetários privados, enfim, nenhuma entidade por trás da plataforma do Bitcoin. Estamos falando de uma moeda — de um sistema, na verdade — com modus operandi distribuído (sem um elemento central) e autorregulado. Tudo se baseia em transações digitais criptografadas, razão pela qual o Bitcoin é considerado um tipo de criptomoeda (em inglês, cryptocurrency).

E quanto vale um Bitcoin? Olha, depende da demanda e da oferta. Via de regra, quanto mais transações existirem em dado momento, mais caro um Bitcoin será.

Não é só o preço do Bitcoin que aumenta a cada dia. Conseguir um fragmento da criptomoeda também está consumindo cada vez mais eletricidade. Uma pesquisa da Power Compare, consultoria do Reino Unidos especializada em comparação de preços do setor, detalhou o crescimento da demanda envolvendo a mineração da moeda digital. Foi descoberto (Nov|2017) que fazer a Blockchain do atual montante de Bitcoin funcionar gasta mais energia do que 159 países.
O mapa acima mostra quais países consomem menos eletricidade do que a quantidade consumida pela mineração Bitcoin mundial.

De acordo com o Índice de Consumo de Energia Bitcoin do Digiconomist, a partir de segunda-feira 20 de novembro de 2017 o consumo atual de eletricidade anual estará estimado em 29.05TWh, isso é o equivalente a 0,13% do consumo total de eletricidade global. Embora isso não soe como algo muito significante, a mineração Bitcoin usa mais eletricidade do que 159 países individuais, mais do que a Irlanda ou a Nigéria.

Se a mineração Bitcoin fosse um país, estaria classificada na 61ª posição no mundo em termos de consumo de energia elétrica.

Aqui estão alguns outros fatos interessantes sobre a mineração Bitcoin e o consumo de energia elétrica:
  • No mês passado, sozinho, Bitcoin o consumo de eletricidade de mineração está estimado para aumentar 29,98%;
  • Se continuar a crescer neste ritmo, a mineração Bitcoin consumirá toda a energia elétrica do mundo em fevereiro 2020;
  • As receitas de mineração estimadas e anualizadas globais são de US$ 7,2 bilhões de dólares (£ 5,4 bilhões)
  • Os custos de mineração globais estão estimados em US$ 1,5 bilhões de dólares (£ 1,1 bilhões)
  • A mineração Bitcoin consome mais eletricidade do que 12 estados dos EUA (Alasca, Havaí, Idaho, Maine, Montana, New Hampshire, Novo México, Dakota do Norte, Rhode Island, Dakota do Sul, Vermont e Wyoming)

O mapa acima mostra mais ou menos a comparação do  consumo global da mineração Bitcoin em comparação com o consumo de eletricidade de cada país

Por exemplo, Irlanda consome atualmente um número estimado de 25 TWh de eletricidade por ano, o consumo de modo global de mineração de Bitcoin é de 116%, ou 16% a mais do que consomem. O Reino Unido consome um número estimado de 309 TWh de eletricidade por ano, para consumo global de mineração Bitcoin é apenas o equivalente a 9,4% do total do Reino Unido.



Comente e compartilhe este artigo!

⬛◼◾▪ Social Media ▪◾◼⬛
• FACEBOOK • TWITTER • INSTAGRAM  • TUMBLR   GOOGLE+   LINKEDIN   PINTEREST

⬛◼◾▪ Blogs ▪◾◼⬛
• SFE®  • Tech®  • Terms®  • Books®  • Biography®
⬛◼◾▪ CONTATO ▪◾◼⬛

O que é Éster?


A palavra Éster foi inventada em 1848 pelo químico alemão Leopold Gmelin, provavelmente como uma contração de Essigäther do alemão, Éter Acético.

Os Ésteres são compostos orgânicos derivados dos ácidos carboxílicos. Os Ésteres possuem um radical carbônico no lugar do hidrogênio dos carboxílicos, sendo essa a característica que distingue um do outro.

Estrutura genérica de um Éster. Lê-se R, C dupla O, O R’ (erre linha). R e R’ são cadeias carbônicas

É através da esterificação que surgem os Ésteres. O Éster não é solúvel em água, mas sim em álcool, éter e clorofórmio. O ponto de ebulição do Éster é menor do que o dos álcoois.


Para que Servem os Ésteres?

Os Ésteres possuem cheiro e aroma agradáveis, daí decorre a sua principal aplicação. São substâncias flavorizantes, ou seja, são utilizados para aromatizar artificialmente coisas como balinhas, sucos e xaropes. Além disso, os Ésteres são usados ainda na fabricação de medicamentos, cosméticos, perfumes e ceras.

São exemplos:


  • Antranilato de metila: alimentos com sabor artificial de uva possuem esse aromatizante do grupo de ésteres, os refrescos de uva são um exemplo.
  • Acetato de pentila: constituinte do aroma artificial de banana.
  • Etanoato de butila: essência que confere o sabor de maçã verde às balas e gomas de mascar.
  • Butanoato de etila: esse éster confere o aroma de abacaxi a alimentos.
  • Metanoato de etila: é responsável pelo aroma artificial de groselha.
  • Acetato de propila: o sabor artificial de pêra das gomas de mascar se deve à presença deste éster.
  • Etanoato de etila: o sabor artificial de maçã.
  • Etanoato de propila: o sabor artificial de pêra.




Éster consta da composição do biodiesel. A partir dos Ésteres, ainda, surge o sabão. Isso porque óleos e gorduras presentes no Éster podem ser usados na sua fabricação.


Óleos 

Os produtos derivados de Ésteres neste estado são muito usados no nosso dia-a-dia. Também na forma de gorduras, estão presentes em nossa alimentação, a seguir exemplos de Ésteres na forma de óleos e gorduras:

Éster dos ácidos linoléico e oléico: óleo de soja presente na refeição diária.

Os Ésteres que derivam apenas de um álcool, como a glicerina ou propanotriol, como o próprio nome já diz, trata-se de um álcool com três hidroxilas, a reação acontece com três ácidos, sendo assim, o produto será um triéster. Esse produto corresponde ao óleo de soja, já citado, azeite de oliva, manteiga ou margarina.

Estearina: É encontrado na gordura animal conhecida como sebo, é matéria prima para a fabricação de sabonetes e sabões.


Mais uma forma de Ésteres

Ceras 


Quando álcoois com elevado número de carbonos reagem com ácidos surge uma nova forma de Ésteres; as ceras. As mais conhecidas são a cera de abelha e a cera de carnaúba, elas servem para fabricar velas, graxas para sapatos, ceras para pisos, entre outras.

(Infográfico original: James Kennedy)


Ésteres de Ácidos Graxos com propriedades hidratantes

Os Ésteres de Ácidos Graxos são muito utilizados em produtos cosméticos devido as propriedades de espalhamento e hidratação que os Ésteres de Ácidos Graxos promovem às formulações. Os Ésteres de Ácidos Graxos são indicados para a fabricação dos seguintes produtos: cremes, pomadas, protetores solares, sabonetes, sprays e loções.


Propriedades e aplicações

Pode-se encontrar no mercado diferentes tipos de Ésteres de Ácidos Graxos como:

Os Ésteres secos que possuem a função de promover a sensação de leveza quando aplicados a pele, podem ser utilizados em formulações de emulsões para a pele, como em produtos de maquiagem.

Os Ésteres para massagem: que precisam permanecer na pele para formar uma camada oleosa fazendo com que a massagem seja continua e deslizante sobre o corpo.

Os Ésteres hidratantes quando espalhados na pele causam a sensação de suavidade aveludada em áreas secas.

Ésteres Dispersantes de Pigmento: Agentes molhantes dispersam os pigmentos.


Os Ésteres Potenciadores de Maquiagem: Função de estabilizar cremes quando adicionados à fase oleosa. Eles agregam riqueza aos cremes, funcionando como emulsificante, potencializando a estabilidade da emulsão.


Nomenclatura

Como dar nome aos compostos orgânicos?
Seguem a nomenclatura IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada, em português).

O prefixo corresponde ao número de carbonos. É seguido do intermédio, o qual indica o tipo de ligação química.

Depois disso, o elemento recebe o sufixo ato e é ligado pelo elemento de. A seguir, o radical tem o final ila.

O nome etanoato de butila surge da seguinte forma:

Prefixo et = 2 carbonosIntermédio an = ligações simplesAcréscimo da partícula = oatoLigação = deRadical = butilSufixo = ila


Características dos Ésteres

Principais propriedades físicas apresentadas pelos Ésteres:

  • Possuem aroma de frutas e flores;
  • Os Ésteres de baixa massa molar são líquidos à temperatura ambiente e os de alta massa molar são sólidos;
  • Quando comparados com os alcoóis e ácidos carboxílicos, os Ésteres apresentam pontos de fusão e ebulição mais baixos;
  • Em comparação com a água, os Ésteres de menor massa molar são menos densos;
  • Os Ésteres de menor massa molar são polares e os de maior massa molar são apolares;
  • Nos Ésteres polares, predominam forças dipolo permanente; já nos apolares, predominam forças dipolo induzido;
  • Os Ésteres de menor massa molar são pouco solúveis em água e os de maior massa são insolúveis em água.


Comente e compartilhe este artigo!

⬛◼◾▪ Social Media ▪◾◼⬛
• FACEBOOK • TWITTER • INSTAGRAM  • TUMBLR   GOOGLE+   LINKEDIN   PINTEREST

⬛◼◾▪ Blogs ▪◾◼⬛
• SFE®  • Tech®  • Terms®  • Books®  • Biography®
⬛◼◾▪ CONTATO ▪◾◼⬛

O que é NCE ?



Uma NCE - New Chemical Entity (Nova Entidade Química) - ou NME - New Molecular Entity (Nova Entidade Molecular) é uma droga ou produto químico sem precedente entre produtos farmacêuticos regulados e aprovados.

A designação NCE indica que um medicamento em desenvolvimento não é uma versão ou derivado de uma substância existente e previamente investigada, testada e aprovada. Ser rotulado como uma molécula inteiramente "nova" ou de primeira classe determina que certos tipos de ensaios clínicos devem ser executados e que deve ser dada especial atenção à prova da segurança da droga.


NCE é a fração ativa de uma molécula ou íon, excluindo as porções anexadas da molécula que fazem com que o medicamento seja um Éster, sal (incluindo um sal com hidrogênio ou ligações de coordenação) ou outro derivado não covalente (como um complexo, quelato ou clatrato) da molécula, responsável pela ação fisiológica ou farmacológica da substância medicamentosa.



Uma NCE é uma molécula desenvolvida por uma empresa focada em inovação, que no início da fase de descoberta do medicamento, que logo após a realização de ensaios clínicos pode identificar um medicamento que poderia ser usado num tratamento para alguma doença.

A síntese de um RCE (Request for Continued Examination - Pedido de Exame Continuado, em português) é o primeiro passo no processo de desenvolvimento dos medicamentos. Uma vez que a síntese do NCE foi concluída, as empresas têm 2 opções antes disso. Podem partir para os ensaios clínicos por conta própria ou licenciar os NCE para outra empresa. Nesta última opção, as empresas podem evitar o processo caro e demorado de ensaios clínicos, uma vez que a empresa licenciada estaria realizando novos ensaios clínicos e, posteriormente, lançando o medicamento. As empresas que adotam esse modelo de negócio poderão gerar altas margens, pois obtêm um enorme pagamento único pelos NCEs, além de celebrar um acordo de compartilhamento de receita com a empresa licenciada.


Comente e compartilhe este artigo!

⬛◼◾▪ Social Media ▪◾◼⬛
• FACEBOOK • TWITTER • INSTAGRAM  • TUMBLR   GOOGLE+   LINKEDIN   PINTEREST

⬛◼◾▪ Blogs ▪◾◼⬛
• SFE®  • Tech®  • Terms®  • Books®  • Biography®
⬛◼◾▪ CONTATO ▪◾◼⬛

O que é NME ?



Uma NME - New Molecular Entity (Nova Entidade Molecular) - ou NCE - New Chemical Entity (Nova Entidade Química) é uma droga ou produto químico sem precedente entre produtos farmacêuticos regulados e aprovados.

A designação NME indica que um medicamento em desenvolvimento não é uma versão ou derivado de uma substância existente e previamente investigada, testada e aprovada. Ser rotulado como uma molécula inteiramente "nova" ou de primeira classe determina que certos tipos de ensaios clínicos devem ser executados e que deve ser dada especial atenção à prova da segurança da droga.


Comente e compartilhe este artigo!

⬛◼◾▪ Social Media ▪◾◼⬛
• FACEBOOK • TWITTER • INSTAGRAM  • TUMBLR   GOOGLE+   LINKEDIN   PINTEREST

⬛◼◾▪ Blogs ▪◾◼⬛
• SFE®  • Tech®  • Terms®  • Books®  • Biography®
⬛◼◾▪ CONTATO ▪◾◼⬛

O que é Buy in?

1. Contrato: É a prática de apresentar uma oferta substancialmente abaixo dos custos estimados com a esperança de escalada do preço após o prêmio do contrato, ou para recuperar as perdas dos contratos subsequentes.

2. Valores: A compra de um seguro para cobrir a venda anterior do mesmo seguro. No caso do vendedor ser incapaz de cumprir a data de vencimento , o comprador pode comprar o seguro de algum outro vendedor e o vendedor original (inadimplente) terá de compensar a diferença do preço.

Veja também:

Comente e compartilhe este artigo!

⬛◼◾▪ Social Media ▪◾◼⬛
• FACEBOOK • TWITTER • INSTAGRAM  • TUMBLR   GOOGLE+   LINKEDIN   PINTEREST

⬛◼◾▪ Blogs ▪◾◼⬛
• SFE®  • Tech®  • Terms®  • Books®  • Biography®
⬛◼◾▪ CONTATO ▪◾◼⬛

6 Passos para Conectar-se a um KOL


Identificar KOLs é um jogo complicado.


    A proliferação de canais de comunicação social combinados com o surgimento de novas partes interessadas nos cuidados de saúde tem diluído a influência de qualquer KOL, expandindo as principais vozes em qualquer Mercados da Indústria Farmacêutica. Além disso, mais barreiras foram construídas em torno dos médicos graças à regulação governamentais, grupos hospitalares, grupos acadêmicos e grupos de pacientes. Sim, os médicos têm menos autonomia, sendo mais difícil de termos acesso a eles.

    Ao mesmo tempo, a importância dos KOLs e sua capacidade de fazer e mover um Mercado não mudou. Por isso a Indústria Farmacêutica precisa elaborar um novo método para identificar e envolver os KOLs. Precisa ser um processo gradual. Então, aqui estão 6 Passos para se Conectar ao KOL, desde o contato inicial até o lançamento.


    1. Lance Uma Rede Maior


    2. Solidifique as Relações
    Solidifique as Relações

    3. Ganhe um Favor Criando Valor
    Ganhe um Favor Criando Valor

    4. Priorize a Transparência
    Priorize a Transparência

    Mantenha a Flexibilidade

    Leve-o para o Topo


    Leia também:






    Colocando o Painel Médico na Academia: Série Painel Médico Livro 1Características Intrínsecas do Painel Médico: Série Painel Médico Livro 2Quem são os Responsáveis pelo Painel Médico: Série Painel Médico Livro 3 

    Dkol a ascensãoDESMISTIFICANDO OS DOLs: O que considerar ao Segmentar e criar MétricasSérie Painel Médico da Indústria FarmacêuticaVolume - 04
    Comente e compartilhe este artigo!

    ⬛◼◾▪ Social Media ▪◾◼⬛
    • FACEBOOK • TWITTER • INSTAGRAM  • TUMBLR   GOOGLE+   LINKEDIN   PINTEREST

    ⬛◼◾▪ Blogs ▪◾◼⬛
    • SFE®  • Tech®  • Terms®  • Books®  • Biography®
    ⬛◼◾▪ CONTATO ▪◾◼⬛
    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...